Home / Carta do Primo / Tudo como dantes no quartel de Abrantes
Tudo como dantes no quartel de Abrantes

Tudo como dantes no quartel de Abrantes

Carta do Primo

 

Bocaiúva, 5 de maio de 2013.

Primo,

 

Na madrugada deste domingo, folheando edições antigas do jornal O Debate à procura de piadas e receitas para rememorá-las no nosso site, deparei com uma Carta que lhe escrevi há quase cinco anos. Como a dita cuja está atualíssima, resolvi poupar a tinta desta semana e, na oportunidade, estou lhe mandando uma cópia, pois não sei se você guardou a original. Eis aí, na íntegra:

 

“Bocaiúva, 17 de dezembro de 2008.

 

 

Primo,

 

 

Semana passada eu lhe escrevi uma Carta falando da minha vontade de sair por aí cantando aquela musiquinha do Roberto Carlos, dos anos 1970, que dizia que queria que tudo mais fosse pro inferno.  A bem da verdade, não era a música completa. Estava mais para paródia, pois ia retirar aquele negócio de “me aqueça nesse inverno”, acrescentar família e alguns amigos e mandar o resto. Isso mesmo, pros quintos do inferno.

“Caba daí” que deixei o computador ligado e a Fátima viu a Carta. Contou pro Rafael e pro Fernando e viajou para Belo Horizonte com mil recomendações para que não “colocasse” a dita cuja nos Correios. Fingi que rasguei e a guardei a sete chaves. Qualquer dia desses eu lhe mando. Aqui em casa é assim, Primo, não me deixam mesmo rasgar o verbo e voltar a ser aquele “Pedro Sem Medo” de antigamente. Mas eles não perdem por esperar. É só eu adquirir de volta o meu nariz, que agora não estou mandando mais.  Afinal, não é fácil tolerar certas coisas numa terra que, conforme o Zé Leonardo, “…tem um lugar e um cantinho pra mim”.

Falar nisso, Primo, Ricardo Veloso vai assumir a Prefeitura de Bocaiúva pela segunda vez. Sei que você não gostaria de morar numa cidade administrada por ele. A menos que ele o fizesse queimar a língua nesse segundo mandato. Sei, no entanto, que deve estar rezando para que Deus lhe dê vida e saúde para que possa ficar os quatro anos. Já pensou, se por algum motivo ele tiver que se afastar e entrar o vice? Aí também é demais, né, Primo? É a tal da falta de liderança  aqui na terrinha do Senhor do Bom-Fim. Bocaiuvense que é líder de verdade procura alçar vôos mais altos e vai ajudar esse Brasilão de meu Deus, como é o caso de José Maria Alkmim, Herbert de Souza (Betinho) e Patrus Ananias. Os que ficam aqui não estão com nada mesmo. Inclusive eu. Digo isso porque Wan-Dyck Dumont, de Francisco Dumont, Alberto Caldeira, de Montes Claros, e Ricardo Veloso, de Guaraciama, estão “mandando” na gente há trinta e quatro anos (a completar no fim desta gestão que se aproxima). Isso mesmo, o franco-dumontense governou o nosso município por três mandatos (um de seis anos e dois de quatro), o montes-clarense está completando 12 anos à frente do município (três mandatos de quatro anos) e o guaraciamense inicia em janeiro próximo o seu segundo mandato de quatro anos.

Sinceramente, você não acha, Primo, que está na hora de dar uma sacudida para ver se cai no pedaço novas lideranças? E não é só lideranças políticas, não! A carência atinge vários outros setores. Uns com tantos desmandos que só Deus sabe. E eu e o povo todo de Bocaiúva também. Mas isso é assunto para uma outra Carta. O papel é curto e a tinta é pouca. Ademais, estou sendo vigiado dia e noite aqui em casa, puseram até “polícia” no caminho dos Correios. Nesses dias, Carta para você, Primo, tem que ser ligth, senão a “censura” impede a postagem. E também, esta semana eu não estou tendo tempo para curtir chateação. Estou muito feliz com a formatura de mais uma filha, a Fabíola. E eu, que já tinha “em casa” psicóloga e jornalista, ganho agora uma médica. Ano que vem o Fernando encerra o ciclo, com um curso de Direito na Unimontes. Você brigaria agora, Primo?

 

Um abração do

 

Pedro Luther King Mandela Rodrigues e Silva”

 

OBS.: Como vê, o tempo passou, Ricardo concluiu o segundo mandato, ganhou um terceiro. E continua “Tudo como dantes no quartel de Abrantes”. Só ficamos um pouco mais velhos, né, Primo? E bestas…

 

3 comentários

  1. Pedro,
    Diante da carta do Primo, digo-lhe que Bocaiúva (com acento porque tiraram o acento só da palmeira que é nome comum) tem, na próxima eleição, uma grande oportunidade de rever seus conceitos e eleger um filho da terra, apesar de os “forasteiros” já terem feito muito por ela (temos que reconhecer isso).
    Digo isso porque o Ricardo não pode recandidatar e o Alberto parece-me que também não. E agora quem se habilita?
    É hora de pensar noutros nomes e você como estrategista antigo do PMDB, já pode ir pensando…

    Garimpa aí que ainda sai diamante desse Macaúbas…

    • Sei não, mas bocaiuvense quando é bom mesmo – diamante – vai ser ministro da fazenda, vice-presidente da República, prefeito de Belo Horizonte, ministro do Desenvolvimento social e Combate à Fome… Aqui só fica o cascalho.

  2. José Olimpio Silva

    Primo,

    Besta eu sempre fui e velho, estou cada vez mais. È assim mesmo. Uns saem e outros chegam para mandar nos que ficam. Chegam,mandam e ficam… ricos.

    Perdoe, Primo, por responder assim, dessa forma “aberta”.

    Do Primo – que sente muita saudade dos anos 61/64.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Scroll To Top