Home / Destaque / Padre acusado de agredir médica dentro da igreja
Padre acusado de agredir médica dentro da igreja

Padre acusado de agredir médica dentro da igreja

 

Um sacerdote católico é acusado de agredir, com arrastões e unhas, uma fiel numa igreja em Itacambira, no Norte de Minas. A médica Keila Bicalho Leão denunciou que, ao fim de uma missa na noite domingo, foi agredida pelo padre Gilmar Soares Martins, o Mazinho, depois de ter insistido em fazer um depoimento. O fato fato ocorreu na histórica Matriz de Santo Antônio, de onde ladrões levaram cinco peças sacras em fevereiro de 2012. A médica registrou boletim de ocorrência na Policia Militar.
Ainda na noite de domingo, segundo moradores, o padre Mazinho deixou a cidade – ele mora em Montes Claros e vai a Itacambira somente para celebrações. Ontem, ele não foi localizado. O arcebispo de Montes Claros, dom José Alberto Moura, não manifestou sobre o caso.

Keila Leão relata que decidiu ir à missa na noite de domingo. “Cheguei atrasada e conversei com a moça que auxilia o padre para que eu pudesse dar um depoimento sobre acontecimentos da minha vida que revelam a presença de Deus, mas o padre alegou que não poderia fazer aquilo porque a minha fala seria muito longa”, salientou.

A médica conta que, no fim da celebração, quando o padre Gilmar Soares já tinha se deslocado para a sacristia, ela foi ao altar e começou a dar o seu depoimento. Foi nesse momento que, segundo ela, ocorreu a agressão.“O padre saiu da sacristia e começou a gritar para eu calar a boca, dizendo que estava participando de um grupo contra ele”, informou Keila, acrescentando que respondeu: “O senhor não manda em mim!”. Ela explicou que, na sequência, o padre a teria agarrado e começado a arrastá-la, ferindo o seu rosto com as unhas. “As pessoas interferiram e impediram que ele saísse me arrastando”, afirmou.

Keila disse que passou a conversar com algumas pessoas na porta da igreja, quando o sacerdote apareceu e começou a agredi-la novamente. “Dessa vez, ele estava sem batina.” A médica afirma que “não tinha a intenção de denunciar o padre”, mas, durante atendimento de urgência em posto de saúde, uma pessoa percebeu um sangramento no seu rosto. Diante disso, viu a necessidade do registro do boletim de ocorrência da Polícia Militar. Ela disse ontem de manhã, em Montes Claros, que tentou, mas não conseguiu da PM de Itacambira o número da ocorrência para exame de corpo de delito. “Mas foram feitas várias fotos que mostram os sinais da agressão”, argumentou.

Na Arquidiocese de Montes Claros, uma secretária alegou que o arcebispo dom José Alberto Moura chegou ontem de viagem e que ainda não tinha se inteirado do caso. Na Paróquia de Itacambira, ninguém atendeu o telefone.

Luiz Ribeiro – EM

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Scroll To Top