Home / Antigamente era assim... / Ministério Público quer Carlily fora da presidência da Câmara de Bocaiúva
Ministério Público quer Carlily fora da presidência da Câmara de Bocaiúva

Ministério Público quer Carlily fora da presidência da Câmara de Bocaiúva

 

“Narram os impetrantes, em apertada síntese, que, no dia 23 de dezembro último, quando da votação para formação da mesa diretora daquela Casa legislativa para o ano de 2016, o grupo de vereadores de linha ideológica contrária, em ação pretensamente orquestrada e capitaneada pelo seu decano, abandonou o plenário, haja vista terem percebido que, se seguisse a reunião e fosse colocada em votação a referida formação da mesa diretora, seriam derrotados pela corrente política composta pelos impetrantes”.

Os impetrantes a que se refere o segundo parágrafo do parecer de Dr. Daniel Librelon Pimenta, promotor de justiça da Comarca de Bocaiúva (datado de 3 de maio de 2016), são os vereadores Antonio Gilmar Cardoso e outros seis; dentre eles, o vereador Carlily de Carvalho Leite (o Calai Amiguim).

No sétimo parágrafo do mesmo parecer, Dr. Daniel afirma que “Na sequência, depois de nova reviravolta política que lhe alçou à presidência da Câmara Municipal, originada de mais uma inusitada ocorrência no seio daquele corpo de edis, em que a barganha superou a coerência, o vereador Carlily de Carvalho Leite requereu desistência da ação”

Mais adiante, no seu minucioso parecer, Dr. Daniel lembra que, “O então presidente daquela casa, autoridade coatora José Romildo, entendendo ilícito este proceder, cuidou de tornar sem efeito a eleição, o que motivou novo escrutínio e a ascensão, não por mera coincidência, do grupo político por ele composto, quando já tinha sido possível cooptar um outro vereador da bancada rival, que até então compunha o polo ativo desta demanda, mas que, uma vez alçado ao cargo de Presidente da Câmara, não se constrangeu em pedir homologação de sua desistência desta ação”.

Diante disso e de outros detalhes muito bem fundamentados pelo promotor em seu parecer, o Ministério Público oficia “…pela CONCESSÃO DA SEGURANÇA PLEITEADA, declarando-se nula a decisão administrativa de ff 45/46, e, por consequência, restabelecendo-se a validade e eficácia da eleição da Mesa Diretora ocorrida em 23 de dezembro de 2015″.

Caso seja acolhido o parecer do Ministério Público, que esclarece as manobras que levaram o vereador Carlily de Carvalho Leite a se eleger presidente da Câmara Municipal de Bocaiúva, esse deverá desocupar a cadeira, assumindo o seu lugar o vereador Antonio Gilmar Cardoso.

Os atos praticados pelo atual ocupante da chefia da mesa diretora, como a contratação de novos funcionários e outros pormenores, farão parte de um novo capítulo.

j romildo

O ex-presidente e outros cinco vereadores, de acordo com o Ministério Publico, abandonaram o plenário ao sentirem que seriam derrotados em suas pretensões

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Scroll To Top